quinta-feira, 26 de março de 2009

Rock e Deus

Roqueiros, como o baterista do Iron Maiden, antes idolatrados por multidões de fãs, agora cultuam a Jesus Cristo.


Nico McBrain, baterista do Iron Maiden: “Um dos maiores truques do Diabo é fazer você acreditar que ele não existe”

A banda inglesa Iron Maiden, que estourou nos anos 80 com o estilo Heavy Metal de fazer rock, desembarca no Brasil na próxima quinta-feira, dia 12, para se apresentar pela turnê Somewhere Back In Time. O grupo, precursor do estilo e considerado um dos melhores do gênero, conta novamente com a sua formação original. A popularidade entre os roqueiros se deu através de sua maneira única de soar em canções, letras e capas de discos. O nome “Iron Maiden” é inspirado em um instrumento de tortura medieval, o qual se acha representado no filme O Homem da Máscara de Ferro. Suas letras exploram temas que vão do ocultismo a lendas, filmes, histórias de assassinatos, o escuro e a simbologia do número 666. Além disso, as capas dos álbuns são singulares, pois exibem sempre o mascote da banda, Ed, um morto vivo, em cenas sugestivas aos temas de cada disco.

Diante dessa atmosfera “pesada”, seria possível pensar em algum espaço para manifestações cristãs? Olhos e ouvidos voltados para Deus? Sim! O baterista da banda, Nico McBrain, é um exemplo de músicos de rock bem sucedidos, com carreiras mundialmente consolidadas e que, ao longo de suas vidas, se converteram ao cristianismo. Chocante? Inesperado? Talvez nem tanto. Ele próprio afirma que quando alguém se torna cristão, não está livre do pecado, mas deve buscar ao máximo uma vida longe deste mal.

A pergunta mais comum feita ao baterista é: Como você pode tocar em um grupo que apresenta uma canção chamada Number of the Beast (Número da Besta)? Nico afirma que a canção é sobre uma história que se encontra no livro das Revelações. “Um dos maiores truques do Diabo é fazer você acreditar que ele não existe”, justifica o baterista.

Nico McBrain é um exemplo incrível de conversão de músicos que, pela própria natureza da profissão, lidam com uma série de fatores que muitas vezes os afastam de uma vida ao lado de Deus. Shows, fãs, turnês exaustivas e o universo das drogas e comportamentos promíscuos, muitas vezes associados ao estilo de vida no rock.

Muito conhecidos na história da música mundial e, especialmente do rock, são os casos de músicos que acabam deixando a vida precocemente de forma conturbada e perturbadora. O líder do grupo Nirvana, Kurt Cobain, no dia 5 de abril de 1994, atirou na própria boca e deixou o mundo com uma filha ainda criança. Sua carreira foi marcada por um sucesso meteórico, desgastes emocionais, depressão, drogas e, em particular, o vício pela heroína.

Mais conversões no rock - Felizmente, ainda é possível citar outros casos de músicos do rock que, como Nico McBrain, seguiram o caminho da salvação física e espiritual a partir do contato com os valores cristãos.

Brian Welch, ex-guitarrista do grupo Korn, é um outro bom exemplo de roqueiro convertido. No final de 2008, ele lançou o seu primeiro disco solo, Save Me From Myself. No álbum, o músico aborda questões particulares da sua vida como a luta para deixar as drogas, os motivos que o levaram a sair da banda e seu encontro com Deus.

No Brasil, temos a surpreendente história do músico Rodolfo Abrantes, ex-vocalista da banda de hard-core Raimundos. No auge de sua carreira, o roqueiro sentiu o vazio em que vivia e se converteu. “Estava sozinho, morando em São Paulo, com uma vida louca, trezentas namoradas por aí, drogas a valer, balada todos os dias, fãs de montão, disco de platina, dinheiro na conta, agenda lotada de shows, mas completamente infeliz”, relata o cantor.

Em 2006, já convertido, Rodolfo lançou seu primeiro disco voltado para Deus, Santidade ao Senhor. Além disso, ministra cultos na igreja Bola de Neve Church e viaja junto de sua mulher para pregar a Palavra. “Quer ter vitória? Anda no caminho do Senhor, obedeça, leia a Bíblia e siga seus conselhos. Hoje não bebo, não é porque não possa, é porque não

quero. Quero ter comunhão com o Pai”, aconselha o músico.

A exótica e mística Baby do Brasil - ex-Baby Consuelo e ex-integrante do grupo Novos Baianos - também impactou a muitos com sua conversão nos anos 90, recebendo, inclusive, muitas críticas. A estas, a cantora responde em uma de suas músicas: “E não importa o que vão pensar de mim. Eu quero é Deus. Eu quero é Deus.”

Fonte: Cristianismo Hoje

Um pouco sobre a História do Rock Cristão



O Rock Cristão surgiu no início dos anos 70 (EUA), sendo alvo de muito preconceito e críticas. Hoje podemos dizer que o preconceito prevalece mais contra as bandas “pesadonas” do Metal Cristão. Fora isso, a crítica nunca morrerá. Só que quanto mais se critica, quanto mais se reprime, a tendência é expandir e (pasme) o rock tem sido um dos veículos mais poderosos do evangelho no mundo inteiro, tem chegado a lugares que não podemos nem pensar, ajudando a transformar muitas vidas que estão inundadas na falsa liberdade (drogas, prostituição e etc).
O efeito do rock é rápido, repetitivo e eficaz. É por isso que atinge tanto os jovens, porque a cada dia as novas gerações querem coisas rápidas e de fácil absorção.


As nossas igrejas hoje tocam rock! Depois de tanto tempo rejeitando esse estilo musical, podemos dizer que, a maioria das igrejas evangélicas tocam rock no louvor. Até mesmo as mais tradicionais que defendem o bloqueio desse estilo musical acabam tocando batidas de rock sem saber (risos).


Para o jovem mais preocupado, que vive morrendo de medo de escutar rock cristão e que vive com um peso na consciência porque alguém sempre vem dizer algo contra, tenho algumas respostas para as lendas que andam te contando: O Rock não é do Diabo, O rock não vem do inferno (porque no inferno haverá apenas pranto e ranger de dentes), Deus criou a música.
Espero que nessa altura do campeonato você (leitor) esteja mais relaxado e tranqüilo para escutar um bom rock cristão sem nenhuma preocupação. Claro! Vale lembrar que em todos os setores da sociedade existem os corruptos que se corrompem e tentam corromper os outros. No rock cristão não é diferente... Também existem muitos falsos crentes. Mas lembrem-se sempre: “Pelo fruto conhecereis a árvore”.


Como a intenção dessa matéria é falar dos DEZ destaques de 2007 vamos ao que interessa:


Bride Teve um ano relativamente complicado. Todos esperavam uma nota oficial do fim da banda, porem... Mais uma vez o Dale surpreende a todos. Primeiro nos disse que Troy sairia da banda por algum tempo para se dedicar na Itália, e que ele (Dale) está montando uma banda paralela. Dias depois sai uma nota falando que Troy não viajaria e que o novo Cd está em andamento. Fiquem espertos! Provavelmente em 2008 terá uma turnê do Bride no Brasil. Longa vida ao Bride!

Mortification Lançou o super CD Live Humanitarian, de altíssima qualidade e prometeu lançar o Dvd do álbum esse ano, o que não aconteceu ainda. Steve não anda bem de saúde, esse é um dos motivos que sempre pesam antes de acertar agendas de shows aqui no Brasil. Recentemente, Steve publicou uma nota em que diz que em 1995 foi jurado de morte por um grupo de satanistas do Black Metal, cá pra nós... Isso não é mais novidade, somos mais que vencedores em Cristo Jesus! O “mortifa” está sempre influenciando a cena extrema do Metal Cristão por isso merece nosso grito de Longa Vida!


Petra A considerada pioneira banda de rock cristão... Apesar de ter oficializado o fim da banda há dois anos atrás... Fez um show beneficente (no começo de Dezembro) na Argentina. John Schlitt anunciou seu cd solo e disponibilizou trechos no site Os integrantes podem ter encontrado um ponto final, mas a banda continua viva e sua música é atuante no cenário mundial. Por isso está aqui nosso desejo de vida longa ou nova vida ao Petra.

Rodolfo Abrantes Vem, aos poucos, ganhando espaço significativo no rock cristão nacional! Apesar de sua grande experiência no estilo musical (rock), está engatinhando com muita responsabilidade na cena. Tem se preocupado bastante com a mensagem a ser passada e como influenciar (agora de forma positiva) os jovens. O mais importante é que ele está do lado certo. Vida Longa ao rock cristão de Rodolfo Abrantes

PG Desde que começou carreira solo, o nome dele só fez crescer no cenário nacional. Podemos afirmar, hoje, que é um dos poucos “completos” no Brasil. Encheu os olhos da galera com o Cd e Dvd Eu Sou Livre, mantendo a linha rock n’ roll e dando uma calibrada na performance de palco. Vida Longa PG!

MegaDeth Calma... Antes de começar a estranhar, quero aqui falar para quem ainda não sabe, que o líder da banda Dave Mustaine foi resgatado da magia negra e se converteu em 2002, de lá pra cá Deus vem moldando essa banda, as letras abordam uma temática cristã e Dave está se dedicando a essa nova vida. Tempo atrás divulgou uma nota que não toca em show que alguma banda satânica ou de origem duvidosa for tocar também porque ele tem que defender a sua crença (Jesus Cristo). È por essas e outras que o MegaDeth merece estar na lista de Rock Cristão de 2007. Vida longa ao novo MegaDeth.

Rob RockFez um dos mais belos trabalhos de sua trajetória, o cd “Garden of Chaos”. Rob Rock sempre será destaque, por toda a sua bagagem musical e composições de altíssima qualidade, a banda consegue a proeza de influenciar bastante o meio secular. Mesmo sem rótulos, sabemos que Rob Rock tem contribuído para o rock cristão. Longa vida ao Rob Rock.

Skillet O som é muito bem trabalhado, apesar de viver numa indefinição de estilo ( coisa normal no meio do rock cristao), está concorrendo a melhor performace do Rock Gospel em 2007 pelo Grammy. Esse é a verdadeira conquista da banda nesse ano, algo ja esperado. Longa Vida com Jesus ao Skillet.

Pillar Concorrente do Skillet no Grammy. A banda também encerrou as gravações do cd (já alvo de críticas) “For The Love of The Game”. Quem acompanha a banda desde o início vem sentindo a diferença no estilo musical (atual da banda) que tem acompanhado a tendência New Metal. A banda verdadeiramente é uma coluna no Rock Cristão. Vida Longa Pillar!

Third Day O terceiro dia mudou a vida da humanidade quando Jesus ressuscitou. Essa banda tem um papel bem evangelístico, levando a mensagem cristã pura sem arrodeios e transformando vidas com essa mensagem. A mistura de rock pop com adoração da certo sim! Third Day está ai para contar história... Presenteou os fans com duas lindas coletâneas esse ano, Chronology Volume 1 e 2. A banda tem mais de vinte prêmios, três deles no Grammy. Sabe aquela música que penetra na alma? Third Day (com inspiração divina) sabe fazer. E esse ano de 2007 a banda se expandiu no horizonte brasileiro. Vida Longa Third Day.